O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

PROGRAMA DE HISTÓRIA ORAL

 A coleta de depoimentos orais de pessoas cuja trajetória de vida se vinculou ao Ministério Público permite constituir uma narrativa mnemônica e afetiva da Instituição e do Estado de Santa Catarina. O conjunto dos depoimentos está organizado no Banco de Memória Oral. 

A instalação do Programa de História Oral foi elencada como uma das prioridades do Memorial, com o objetivo de acessar a história da Instituição pela versão dos seus membros e servidores. A pesquisa junto às fontes documentais escritas, certamente necessária, demanda árdua prospecção e longa maturação, naturalmente retardando a exposição de resultados concretos. Outrossim, muito do que nos contam os depoentes nas entrevistas não está impresso nos documentos escritos, pois são vivências pessoais rememoradas, afetos, opiniões, representações do real vivido, remembranças, enfim, de ênfase individual e subjetiva.

As entrevistas são realizadas com base em um criterioso processo metodológico, fruto de reflexões teóricas de estofo, testadas na prática, e sedimentadas num Manual de História Oral. A rede de depoentes é definida anualmente pela coordenação do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (CEAF) e pelo Memorial, de acordo com as pesquisas temáticas em curso no Memorial.

A coleta das entrevistas é precedida por uma preparação, que apura os dados sobre a trajetória profissional e funcional do entrevistado. Todos os depoimentos são gravados e transcritos, passando, em seguida, por um processo de edição para adaptar a dinâmica da linguagem falada à linguagem escrita. Preserva-se, todavia, a coloquialidade original do documento e limita-se a intervenções da forma, sem alteração do conteúdo. Finalmente, as entrevistas são submetidas à aprovação dos depoentes, que podem, então, operar correções incidentais.

As entrevistas aprovadas podem ser disponibilizadas para consulta dos interessados no Memorial, que mantém, ainda, uma linha editorial, a série Histórias de Vida, na qual os depoimentos são reunidos em coletâneas e publicados.