O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.




O Ministério Público de Santa Catarina pedirá a condenação dos dois últimos responsáveis pela chacina em um hotel de Canasvieiras, ocorrida em 2018, na sessão do Tribunal do Júri da Capital, que inicia às 8 horas da manhã no Fórum da Capital.

Os réus foram denunciados em ação penal pública por cinco homicídios triplamente qualificados - motivo torpe, asfixia e sem chances de defesa às vítimas -, furto qualificado, roubo majorado e fraude processual. Como uma das vítimas tinha mais de 60 anos, em relação a essa morte, o Ministério Público requer o agravamento da pena, o que significa pedir que o tempo de prisão seja aumentado, em caso de condenação.

A chacina ocorreu em julho de 2018, quando Paulo Gaspar Lemos, Paulo Gaspar Lemos Júnior, Katya Gaspar Lemos, Leandro Gaspar Lemos e Ricardo Lora foram cruelmente assassinados, depois de terem sido rendidos e amarrados pelos denunciados no hotel (de propriedade da família Lemos), sob ameaças e agressões, devido a uma dívida trabalhista com Francisco, ex-funcionário do estabelecimento, que planejou os crimes.

Atuará pelo Ministério Público de Santa Catarina o Promotor de Justiça Mauro Canto da Silva, da 37ª Promotoria de Justiça da Comarca da Capital.