O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Um detento denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pela morte de um colega de cela na Penitenciária Industrial de Chapecó foi condenado pelo Tribunal do Júri nesta sexta-feira (20/8).

A Promotora de Justiça Substituta Marina Saade Laux sustentou que o crime foi cometido mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima porque não havia como fugir ou buscar ajuda por estarem dentro da cela.

Érico Fernando Fidélis e Jonathan Willian Oliveira teriam se desentendido em 2016 quando conviveram na mesma cela. Eles teriam brigaram porque Jonathan teria criticado a limpeza que Érico fez no local.

Em 29 de abril de 2020, eles voltaram a conviver na mesma cela. Érico, então, utilizou um instrumento semelhante a uma chave de fenda para golpear o colega de cela, por 49 vezes, até a morte. 

O MPSC defendeu perante o Júri que o réu utilizou recurso que dificultou a defesa da vítima.

Érico Fernando Fidélis foi considerado culpado pelo Conselho de Sentença, sendo condenado à pena de 17 anos e 6 meses de reclusão por homicídio qualificado.

A decisão é passível de recurso, mas, como o detento já cumpre pena por outros crimes, não poderá recorrer em liberdade.