O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve a condenação de um homem que matou e ocultou o cadáver da companheira em Lages. O Conselho de Sentença condenou o réu a mais de 20 anos de prisão, em julgamento realizado nesta quinta-feira (19/8).

Conforme a denúncia da 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Lages, o homem utilizou uma barra de ferro para bater na mulher e, assim, constrangê-la, para em seguida obriga-la a manter relações sexuais. A mulher prestou queixa por estupro e não queria mais continuar a relação.

Inconformado com o registro na polícia e com o término do relacionamento, ele voltou a agredi-la com uma barra de ferro e a dar socos e chutes na cabeça e no corpo dela. Em seguida, ele a esganou e sufocou com um travesseiro. A mulher não resistiu às agressões e morreu.

O acusado escondeu o corpo da vítima sob o assoalho da casa e fugiu do local. Conforme a denúncia, o crime foi cometido entre os dias 10 e 12 de fevereiro de 2019.O Promotor de Justiça Fabrício Nunes sustentou que o homem cometeu o crime para se vingar da mulher, o que qualificou a sua motivação torpe. O Promotor também enfatizou a forma cruel como a vítima foi morta. 

O Conselho de Sentença condenou o homem pelo crime de feminicídio qualificado ¿ por motivo torpe, uso de meio cruel e por ter sido cometido no contexto de violência doméstica e familiar. O réu também foi condenado por ocultação de cadáver. A pena aplicada foi de 20 anos e 3 meses de reclusão em regime inicial fechado.

O acusado foi preso preventivamente após estar foragido e, embora a decisão seja passível de recurso, ele não poderá recorrer em liberdade.