O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Numa ação conjunta, a Promotoria de Justiça e a Polícia Civil fiscalizaram os preços praticados pelas farmácias localizadas na área central de Itapiranga. A diligência ocorreu na segunda-feira (30/3) após a Promotora de Justiça Ana Carolina Ceriotti receber informações de que as farmácias estavam praticando preços abusivos.

Foram vistoriadas seis farmácias. Em todas elas, a Promotoria de Justiça e a Polícia Civil verificaram as notas fiscais e concluíram que não houve reajuste abusivo dos preços. "O valor dos produtos aumentaram sim. Mas verificamos que o reajuste veio dos fornecedores. A margem de lucro das farmácias continua a mesma", explica Ceriotti.

Os farmacêuticos informaram que os fornecedores alegam que o aumento vem ocorrendo em razão da falta de matéria-prima, como a de frascos para o álcool gel, cujo material vem da China. 

A Promotora de Justiça explica que para configurar abusividade no preço é necessário aumento injustificado.

A apuração ocorre em procedimento administrativo já instaurado previamente para apurar as diversas situações que ensejam a atuação do Ministério Público em virtude da pandemia da covid-19