O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Post

O Ministério Público de Santa Catarina, por meio do GAECO (Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas) e do GEAC (Grupo Especial Anticorrupção), e a Polícia Civil, cumpriram seis mandados de busca e apreensão, além de medidas cautelares, durante a operação "Wotan". O objetivo é apurar o possível crime de corrupção no âmbito de Câmara de Vereadores de Urussanga.

A investigação está sendo acompanhada pela Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos e pela 3ª Promotoria de Justiça de Urussanga, cujo processo se encontra sob sigilo. Participam também da Operação policiais da Divisão de Investigação Criminal, 1ª Delegacia de Polícia e DPCAPMI de Criciúma, 2ª Delegacia de Combate a Corrupção, Delegacia de Polícia de Urussanga e Polícia Científica.

A Operação Wotan é a terceira fase da Operação Hera. Na primeira fase, que já contou com o apoio do GAECO, foram concluídos todos os inquéritos policiais, com oferecimento de denúncias. Da segunda fase, denominada "A Zebra", há dois inquéritos policiais instaurados, que estão em fase de análise de documentos apreendidos. Por fim, nesta terceira fase há um inquérito policial instaurado.