O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Luciana Pilati Polli

Promotora de Justiça

Coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente

Este Dia Mundial do Meio Ambiente, primeiro desde a Covid-19, é histórico. A pandemia veio desvelar, de maneira implacável, o grau de interdependência entre a saúde humana e a saúde do planeta. A expressão 'One Health' - ou Saúde Única - nunca foi tão eloquente para nos convencer de que, para a garantia da saúde da humanidade, é necessário assegurar a saúde do planeta.

Não é de hoje que a Ciência vem alertando que as ações antrópicas, especialmente a expansão do desmatamento e a pressão sobre os animais silvestres, acabariam formando verdadeiros laboratórios naturais de doenças. A nossa maior heresia talvez tenha sido desacreditar que os efeitos poderiam ser tão nefastos quanto os demonstrados até agora pelo Coronavírus.

A situação se agrava por outros efeitos do mesmo problema, como a crise hídrica, resultante do desflorestamento e do uso desmedido dos recursos naturais, ao que se soma, ainda, a séria deficiência de saneamento básico no Brasil, com destaque muito triste para o Estado de Santa Catarina, que, no ranking nacional de tratamento de esgoto, ocupa uma das piores posições (fontes: SNIS e Trata Brasil).

A grande ironia disso tudo é constatar que a pandemia ameaça a própria atividade econômica, e que a recessão pode trazer consigo o premente risco de flexibilização das normas ambientais. Iludidos pela expectativa de rápido restabelecimento da 'velha' normalidade e do consumo, por certo, isso significaria o afrouxamento irreversível das políticas de proteção do meio ambiente.

Não se questiona a importância inegável da economia para a sobrevivência humana e para a própria superação da epidemia. Mas a Covid-19 nos aponta a fundamentalidade da observância das leis da natureza e o perigo da flexibilização das normas ambientais. Sem meio ambiente equilibrado, não há água nem saúde; não há atividade industrial, agrícola ou comercial. Enfim, inviabiliza-se tudo aquilo que, nós humanos, reputamos essencial.