O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Um casal denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) pelo roubo de um automóvel foi condenado na Comarca de Timbó. O crime foi cometido utilizando um cão da raça pitbull e uma faca para ameaçar a vítima. O homem, que respondeu por mais um roubo, foi condenado a mais de seis anos de reclusão e a mulher a mais de cinco anos de prisão.

A ação penal ajuizada pela 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Timbó relata o crime cometido por Jonathan David Strunck e Samaritana Abrante Batista, pouco depois da meia noite do dia 3 de janeiro deste ano.

Segundo a ação penal, a vítima esperava por uma garota com quem tinha marcado um encontro no estacionamento em frente a um supermercado, quando foi surpreendido por Jonathan, que, segurando a coleira do cachorro com uma das mãos, colocou uma faca em seu pescoço com a outra.

O casal, então, entrou no carro da vítima com o pitbull e a obrigou a dirigir até próximo a um posto de combustíveis no Município de Indaial, onde a mandou descer do veículo. Depois, o homem e a mulher retornaram em direção à Timbó. O automóvel foi encontrado mais tarde.

Além deste crime, Jonathan foi condenado por mais um roubo, praticado poucos dias depois, quando entrou com o pitbull em um bar e, ameaçando os proprietários e os clientes com o cachorro, roubou uma caixa de cerveja.

Conforme sustentou o Promotor de Justiça Alexandre Daura Serratini, o roubo ao veículo apresentou três causas de aumento de pena: a ação foi praticada pelos dois acusados, em comunhão de esforços e vontades, um aderindo à conduta do outro; a vítima permaneceu em poder dos criminosos por relevante lapso de tempo - cerca de 30 minutos -, com sua liberdade cerceada; e terceiro, pela grave ameaça.

As penas aplicadas pelo Juízo da Vara Criminal da Comarca de Timbó foram de cinco anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial semiaberto para Samaritana e de seis anos, seis meses e 12 dias de reclusão, em regime inicial fechado, para Jonathan.

A sentença é passível de recurso, mas, preso preventivamente no curso da investigação, Johnatan não poderá apelar em liberdade. O cão pitbull, a pedido do Ministério Público, foi entregue a uma associação de proteção animal e já foi, inclusive, adotado.