O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.






Post

Um crime bárbaro que deixou em choque a comunidade concordiense foi julgado pelo Tribunal do Júri na terça-feira (29/6). A sessão de julgamento, que teve início às 9h e encerrou na madrugada de quarta-feira (30/6), terminou com a condenação dos quatro denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) por espancar e matar Jorge Wendel Gonçalves Silva.  

Fernando Porpério dos Santos foi sentenciado a 12 anos de prisão e Mateus Jefferson Piva a 14 anos, 11 meses e seis dias, ambos por homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. Já Gentil da Silva Bussolaro e Vanderlei de Candido da Cruz foram condenados a 12 anos de prisão cada por homicídio duplamente qualificado por meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. 

Todos deverão cumprir a pena em regime inicial fechado, porém, aos réus Gentil e Vanderlei foi concedido o direito de recorrer da sentença em liberdade. Fernando e Mateus, que já estavam em prisão preventiva, permanecerão presos durante o recurso.  

Atuaram na sessão pelo MPSC os Promotores de Justiça João Paulo de Andrade e Khalil Nogueira Nicolau.  

Post

Entenda o caso 

Conforme a ação penal, na madrugada de 14 de outubro de 2018, os denunciados e a vítima estavam em uma festa em uma boate no Centro da cidade. Por volta das 3h30, Jorge decidiu ir embora, momento em que encontrou Fernando e iniciou-se uma discussão por uma antiga desavença. 

Na sequência, ao perceber a situação, Mateus - que não possuía bom relacionamento com Jorge -, partiu para cima da vítima. Em seguida, Gentil e Vanderlei também ingressaram na luta. 

Ainda segundo a denúncia, Mateus pegou uma pedra e acertou Jorge na cabeça, o que fez com que caísse praticamente inconsciente. Não satisfeito, o condenado passou a pisar e chutar a cabeça da vítima.  

Durante as agressões, Fernando esbravejava que beberia o sangue de Jorge e que tinham que matá-lo. As agressões só pararam com a chegada dos seguranças do estabelecimento, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, momento em que os criminosos fugiram do local. 

A vítima foi conduzida em estado grave ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu em razão de traumatismo crânio encefálico, ocasionado pela agressão brutal que sofreu. 


Post

Comoção  

Familiares da vítima Jorge Wendel Gonçalves Silva acompanharam o julgamento do lado de fora do Fórum da Comarca de Concórdia. A mãe Valdiana Gonçalves da Silva relatou que o filho era um jovem tranquilo. "Ele veio para Concórdia para trabalhar porque no Ceará não tinha mais emprego e minha irmã mora na cidade. Ele não merecia isso", disse.  

Quanto ao julgamento, atendeu à expectativa da família, que esperava por justiça: "o que eles fizeram com meu filho foi uma covardia muito grande. Meu filho estava desmaiado no chão e eles chutando e batendo. Um deles disse que bateu no meu filho até a mão doer. Isso é doloroso para uma mãe", lamentou.  

Fotos: 

01 - Promotores de Justiça Khalil Nogueira Nicolau e João Paulo de Andrade atuaram pelo MPSC na sessão 

02 - Cartazes feitos pelos familiares

03 - Familiares acompanharam o julgamento do lado de fora do Fórum da Comarca de Concórdia