O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



A 13ª Promotoria de Justiça de Itajaí já está apurando a regularidade de "álcool em gel 70%" fabricado por uma empresa sediada no município. O procedimento do Ministério Público do Rio Grande do Sul, que também apura possíveis irregularidades do produto, será incluído na investigação. O Promotor de Justiça Maury Viviani solicitou ao MP gaúcho, nesta sexta-feira (26/6), os laudos técnicos acerca do produto.

O MP do Rio Grande do Sul recomendou ao Governo de Santa Catarina e ao Governo do Rio Grande do Sul que recolham imediatamente o produto "Gel Higienizador de Mãos - Álcool em Gel 70, 400ml", fabricado por uma empresa de Itajaí, em razão de um laudo emitido pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) gaúcho ter concluído que o produto antisséptico continha 35,6% e 48,5% de teor de álcool etílico, contrariando uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária que exige a concentração mínima de 70%.

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) começou a apurar possíveis irregularidades no produto comercializado pela empresa de Itajaí em março deste ano, após representação de um consumidor local. Na ocasião, atendendo a uma solicitação da Promotoria de Justiça, a Vigilância Sanitária da cidade e o Procon vistoriaram uma empresa. Segundo o Promotor de Justiça Maury Viviani, a adoção de medidas extrajudiciais e judiciais contra a fabricante já está sendo analisada.