O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Após pedido de prisão preventiva apresentado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), a Polícia Civil cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão contra um homem suspeito de fabricar e vender álcool em gel clandestinamente no município de Araquari na tarde desta segunda-feira (20/4).

A Polícia Civil de Araquari começou as investigações após denúncias indicando que o homem, que se apresentava como químico, fabricava e vendia álcool em gel falsificado. A polícia, juntamente com o PROCON e a Vigilância Sanitária de Araquari, identificou o suspeito e confirmou a falsificação e a ausência de qualidade do produto.

A autoridade policial representou pela busca e apreensão dos produtos, mas o Promotor de Justiça responsável pelo caso, Leandro Garcia Machado, entendeu que a situação era gravíssima e, por isso, além de ser favorável às buscas, representou também pela prisão preventiva do investigado. "Como se trata de uma produção caseira, a prisão é a única maneira de impedir que o investigado continuasse com a prática delitiva", destacou o representante do Ministério Público. O pedido foi integralmente acolhido pelo Juiz.

Durante a diligência, os agentes da Polícia Civil apreenderam materiais para fabricação e embalagens do álcool em gel falso. O preso será encaminhado para a Unidade Prisional Avançada (UPA), onde ficará à disposição da Justiça. Ele será autuado por crime contra a saúde pública, crime contra as relações de consumo e crime ambiental. A soma das penas pode ultrapassar 20 anos de prisão. 

A operação, chamada de "Mãos Limpas", faz parte de uma série de diligências que a Polícia Civil de Araquari e Balneário Barra do Sul vem realizando, com apoio de outros órgãos, para combater a falsificação de produtos de higiene e proteção neste período de pandemia. O objetivo é impedir que indivíduos se aproveitem da necessidade e do desconhecimento da população para oferecer produtos de qualidade e eficácia duvidosas, colocando em risco toda a comunidade.