Post

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) lançou nesta quinta-feira (30/1) o movimento iMPulso - Fazer diferente para fazer melhor. O objetivo é disseminar a cultura da inovação na instituição, experimentar novas práticas de trabalho, estimular a inovação aberta e fazer um Ministério Público cada vez mais próximo do cidadão. Dentre as ações a serem desenvolvidas estão a construção de um Plano de Inovação e a intensificação e aproximação com outras instituições, setores produtivos, universidades e empresas. Confira a cobertura fotográfica completa no Flickr do MPSC.

Evento "Inovação e transformação digital"

 Na abertura do evento "Inovação e transformação digital", na sede do MPSC, em Florianópolis, o Procurador-Geral de Justiça, Fernando da Silva Comin, destacou a importância de discutir o tema. "Nosso desafio é saber como usar a transformação digital e processos inovadores para promover entregas que façam sentido na vida das pessoas", falou o PGJ, ressaltando que esse não é um desafio apenas do MPSC.   "Precisamos pensar novas formas de relacionamento com a sociedade, novas formas de comunicação entre as instituições e de fazer entregas cada vez mais sintonizadas com aqueles que estão na ponta".

 Comin também frisou que a inovação sempre fez parte do DNA do MPSC. "Na década de 80, homens e mulheres vanguardistas e inovadores pensaram como mudar a forma de agir do Ministério Público para sair da formatação tradicional de atuação apenas criminal para alcançar problemas sociais, como a poluição ambiental, direitos das crianças e adolescentes, saúde e segurança pública", explicou. Nos anos 90, o MPSC iniciou a informatização de seus processos, deixando o analógico e passando para o digital, e, nos anos 2000, começou a utilizar o seu próprio sistema de gestão. "A inovação já está dentro do DNA das pessoas que fazem o MPSC e a sociedade também já está habituada a obter da nossa instituição propostas inovadoras e novas soluções", concluiu.

 O chefe do MPSC disse, ainda, que a inovação é um processo de transformação de padrões que, muitas vezes, representam apenas a simples mudança de um determinado fluxo ou processo de trabalho. "Mas para que isso exista é preciso ter o alimento da inovação, que é a criatividade. A criatividade não pode ter barreiras. Nosso estado é um dos principais celeiros de inovação no país, por isso precisamos tornar a Lei de Inovação aplicável em todos os seus princípios", enfatizou.

Painéis

 Na abertura dos painéis, o Coordenador-Adjunto do Centro de Apoio Operacional Técnico (CAT), Promotor de Justiça Guilherme André Pacheco Zattar, afirmou que a inovação é uma arte de "reimaginar" as coisas. "Com o amadurecimento, erroneamente temos a sensação de que a imaginação é algo infantilizado e que deve ser abandonado com a vida profissional madura e correta. Aos 14 anos, o físico Albert Einstein sonhou que estava viajando num feixe de luz pelo Universo. Foi com base nessa imaginação que, depois, ele criou a teoria da relatividade", citou. Zattar convidou todos os presentes a pensarem numa administração pública diferente.

Ao longo do dia foram promovidos debates que seguiram até as 19h. No total, foram quatro painéis com oito apresentações de profissionais das mais diversas áreas - Direito, Economia, Administração, Relações Internacionais, Engenharia, entre outras. O encontro segue até sexta-feira (31/1), com o Innovation Day, que vai oportunizar um momento de maior dinâmica e interação entre os participantes.

Termo de Adesão

 Durante o evento, o PGJ aderiu ao Acordo de Cooperação Técnica da Rede Federal de Inovação no Setor Público - Rede InovaGOV, firmado entre o Tribunal de Contas da União, o Ministério da Economia e o Conselho da Justiça Federal. O acordo objetiva promover o fortalecimento, a ampliação e o aprimoramento da cooperação técnica entre as instituições, o fomento e o apoio à execução de projetos e à adoção de práticas inovadoras no âmbito governamental, para possibilitar maior eficiência, eficácia e efetividade à gestão pública e à prestação de serviços à sociedade.


"mplabs"

A palestra foi proferida pelo mestre em Ciência da Computação Évisson Fernandes Lucena. Atualmente é analista de sistemas e Coordenador  de Tecnologia da Informação do Ministério Público do Estado de Pernambuco. 

"Inova/MPRJ" 

O painel foi apresentado por Breno Gouvêa, economista formado na UFRJ, pós-graduado em negócios internacionais pela Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), e mestre em administração pública pela FGV-Rio. É líder de Projetos do Laboratório de Inovação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (Inova_MPRJ).

tRANSFORMAÇÃO  digital no Ministério Público 

A palestra foi conduzida pelo Promotor de Justiça do Ministério Público da Paraíba (MPPB) Octávio Paulo Neto, Coordenador do Núcleo de Gestão do Conhecimento e Segurança Institucional (NGCSI).

Espaço para perguntas

O debate foi mediado pelo Coordenador do Núcleo de Inovação do MPSC, Promotor de Justiça Guilherme André Pacheco Zattar.

TRANSFORMAÇÃO DA CULTURA ORGANIZACIONAL

A palestra foi proferida pelo mestre em Administração de Empresas (FGV/EBAPE) Luis Mangi, que atua há 30 anos nas áreas de Tecnologia da Informação e Marketing.

espaço para perguntas 


O debate foi mediado pelo Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Institucionais do MPSC, Promotor de Justiça Alexandre Estefani.