O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



Três homens denunciados pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) em Balneário Camboriú foram condenados por homicídio qualificado, porte ilegal de munições e receptação de veículo roubado. As penas pelos crimes variam de 15 a 20 anos cinco meses de prisão.

A ação penal foi ajuizada pela 8ª Promotoria de Justiça da Comarca de Balneário Camboriú para apurar o crime realizado no dia 25 de dezembro de 2018, quando os três criminosos executaram um homem.

O crime foi praticado pouco depois das 6h da manhã, na Rua Tanzânia, Bairro das Nações. A vítima saiu de um bar e entrou em seu carro, que estava estacionado perto do local, na companhia de três amigos.

Os réus, que estavam nas proximidades de tocaia em um automóvel com placas clonadas e registro de roubo em Florianópolis, encostaram ao lado do carro estacionado e dispararam vários tiros contra a vítima, o que causou sua morte. Os amigos da vítima conseguiram sair do carro e não se feriram.

Conforme sustentou a Promotora de Justiça Isabela Ramos Philippi no julgamento, os jurados, que formam o Conselho de Sentença, entenderam que o homicídio foi qualificado pelo uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Eles foram condenados também pela receptação do veículo roubado e por porte ilegal de munições, que foram encontradas no interior do automóvel utilizado no crime.

A pena aplicada pelo Juízo do Tribunal do Júri para um dos acusados foi de 15 anos e para  cada um dos outros dois foi de 20 anos e 5 meses, todas em regime inicial fechado. O nome dos envolvidos não é divulgado em função do processo tramitar e segredo de Justiça.