O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



O hospital OASE, de Timbó, recebeu seis respiradores para o tratamento de pacientes de covid-19 adquiridos com dinheiro de transações penais direcionado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC).

Três ventiladores pulmonares adquiridos com a verba de transações penais e suspensões condicionais de processos, em parceria com o Rotary Clube de Timbó, foram entregues, instalados, e testados pela equipe técnica do hospital OASE, sendo aprovados pera o uso no tratamento de pacientes com covid-19.

Os equipamentos já estão em operação e atendem aos pacientes que necessitam de internação e intubação moradores dos municípios de Timbó, Benedito Novo, Doutor Pedrinho e Rodeio.

Segundo o Promotor de Justiça Alexandre Daura Serratine, da 2ª Promotoria de Justiça de Timbó, responsável pelos procedimentos necessários para a destinação das verbas e pela fiscalização das aquisições, o gestor do hospital avaliou os equipamentos e "os considerou como excelentes".

Outros três respiradores, adquiridos pela Secretaria de Saúde de Timbó, cuja compra também foi intermediada pelo Ministério Público, garantindo preço cotado em 27 de abril de 2020, foram entregues na última quarta-feira.

Cada equipamento já possui um monitor multitarefa.

A Prefeitura de Timbó adquiriu 30 bombas de infusão, que são imprescindíveis ao pleno uso dos respiradores, numa operação de R$ 294.000,00.

O Poder Judiciário deferiu o pedido da Promotoria de Justiça, autorizando a transferência de R$ 186.000,00, aprovisionados em subconta judicial, para a conta-corrente do Rotary Clube de Timbó, que foi o responsável pelo pagamento das primeiras três unidades, após a emissão da nota fiscal.