O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.



A 33ª Promotoria de Justiça da Capital ouviu na tarde desta quinta-feira (10/9) os pais do jovem que teria morrido por falta de medicação adequada. O procedimento faz parte de uma apuração sobre as circunstâncias da morte do rapaz de 21 anos no Hospital Florianópolis no dia 15 de julho deste ano. A suspeita é de que o jovem morreu por barotrauma pulmonar - lesão causada pelo respirador quando o paciente não está devidamente sedado.

Após ouvir os pais do jovem, o Promotor de Justiça Luciano Trierweiller Naschenweng decidiu converter a notícia de fato em inquérito civil como forma de aprofundar as investigações. O Promotor de Justiça já requisitou, na tarde desta quinta-feira, os prontuários médicos dos quatro estabelecimentos de saúde pelos quais o jovem passou até falecer - UPA da Palhoça, Clínica São Lucas, Hospital Regional de São José e Hospital Florianópolis.

Segundo denúncia de um médico à Promotoria de Justiça, o jovem teria morrido por falta de anestésico específico para intubação. O Hospital Florianópolis já encaminhou informações ao Promotor de Justiça. O inquérito civil segue agora em sigilo para não atrapalhar as investigações.