O Ministério Público de Santa Catarina utiliza cookies para gerar informações estatísticas de visitação, aperfeiçoar a experiência do usuário e prestar os serviços online.
Respeitando seu direito à privacidade, em breve você poderá fazer a gestão dos cookies por ferramenta própria disponível no site.
Até a implementação da ferramenta, você poderá optar por impedir/modificar esse tratamento por meio das configurações do seu navegador.




Post

Em reunião com o Procurador-Geral de Justiça, Fernando da Silva Comin, na manhã desta quarta-feira (17/2), a Ordem dos Advogados do Brasil em Santa Catarina (OAB/SC) se uniu ao Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) para identificar os problemas na efetivação dos planos de imunização nos municípios e encontrar soluções que garantam a celeridade e a transparência na vacinação contra a covid-19 no estado. 

A partir do encontro por videoconferência, que também contou com a participação do Coordenador do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos e Terceiro Setor do MPSC, Promotor de Justiça Douglas Martins, a Comissão de Saúde da OAB/SC somará esforços em pelo menos duas frentes de atuação ministerial: o combate aos casos de "fura-fila" e a maior transparência de dados do Executivo estadual. 

O MPSC já requisitou ao governo do estado o compartilhamento das informações acerca dos vacinados por município para o acompanhamento da campanha de vacinação e o cruzamento com outros sistemas de dados acessados pelo Ministério Público. O ofício foi enviado no dia 4 de fevereiro, todavia, ainda não houve resposta.

Os Promotores de Justiça de todas as regiões estão desde o início da imunização monitorando possíveis irregularidades. A OAB/SC, por meio das regionais, passará a cobrar dos municípios que não invertam a ordem de prioridade dos vacinados. 

Ampliação da quantidade de vacinas 

Em nível nacional, o MPSC e a OAB/SC pretendem somar esforços às ações do governo do estado para ampliar a quantidade de doses de vacinas para Santa Catarina. Proporcionalmente à população, o estado catarinense é o que recebeu a segunda menor quantidade de vacinas do Ministério da Saúde.